Buscar no Site:       Procenge        
Contato Sobre CyberArtes Acervo Encontrei por Aí Dicas & Curiosidades Aprenda Mais Artista da Semana Home

 

[ 330 ]

O Esgrimista, o Mentiroso e o Bêbado

Tamanho da Letra: Normal +1 +2 +3 Fundo Branco Fundo Preto


O Esgrimista, o Mentiroso e o Bêbado
Histórias de bêbados, temos de montões. O anedotário é vasto e também e muito grande a quantidade de atitudes tomadas por líderes e políticos sob o efeito do álcool.  Janios Quadros e Boris Ieltsin são, talvez, os nomes mais notórios mas existiram (e continuam existindo) muitos outros.  Tem também aqueles que fazem besteira constantemente como se estivessem bêbados sem de fato estarem mas isso já é outra história. 


Paul Gaugin e van Gogh – amigos esquisitos

Acontece, ou pelo menos alguns supõem que pode ter acontecido, que dois amigos foram beber e passaram demais da conta.  Eram amigos exagerados, um não aceitava muito a ausência do outro, brigavam constantemente por nada ou quase nada, ofendiam-se, essas coisas meio assim doentias mas eram grandes amigos. Um chamava-se Vincent van Gogh e outro chamava-se Paul Gaugin.  Artistas, ambos.  No meio da bebedeira parece que van Gogh tentou ferir Paul Gaugin e acabou decepando a própria orelha. Ou a teria cortado porque estava enlouquecido com a idéia de Gaugin ir embora? Mandou-a realmente em um envelope para Virginie, a sua amante? Rita Wildegans, uma perita em arte, joga mais lenha nessa fogueira. Segundo ela, Gaugin é quem teria cortado a orelha de Vincent. Não se sabe muito a respeito porque van Gogh não deu nenhum depoimento, posto que de nada lembrou, depois do acidente, exatamente na véspera do natal de 1888. Tudo o que se conhece veio do depoimento de Gaugin


Sem a orelha – qual a história verdadeira?
.
Sabe-se que os dois haviam bebido muito e tinham discutido violentamente. Nenhuma novidade nisso. Gaugin era um esgrimista hábil e declarou haver usado suas habilidades. Acontece que alem de esgrimista, era também um notório mentiroso e daí algumas dúvidas. A vigorar a tese de Wildegans, desaparece o que alguns consideram um ato de loucura e outros um ato de genialidade. Fica apenas um acidente idiota provocado por bêbados.

                                   

                                            


                                              

 

  

Por Ronaldo Carneiro Leão –com orelha
Por Rê Rodrigues –com duas orelhas (Hahaha)

   


Ajude Cyberartes, compartilhe este artigo com seus amigos:

 
 
 

 

 

 

Procenge