Buscar no Site:       Procenge        
Contato Sobre CyberArtes Acervo Encontrei por Aí Dicas & Curiosidades Aprenda Mais Artista da Semana Home

 

[ 54 ]

Lailson de Holanda

Tamanho da Letra: Normal +1 +2 +3 Fundo Branco Fundo Preto



Todos os dias ele liga para o jornal mais ou menos na mesma hora e procura saber se a notícia principal da primeira página do Diário de Pernambuco está definida. Normalmente isso acontece entre as 6 e 7 da noite e Lailson de Holanda fica sabendo o que vai estar no jornal no dia seguinte. Normalmente são notícias políticas ou econômicas mas muita coisa pode acontecer. E aí começa uma grande corrida. O artista tem que bolar, desenhar, retocar e dar acabamento, escrever textos e deixar prontinha uma charge. O jornal tem que receber isso até às 9:30h da noite, cerca de duas a três horas depois de tudo começado.


Parece difícil? Deve ter dias em que Lailson tropeça em dificuldades. Deve ficar olhando para o papel, rabiscando, rasgando o rabisco, tentando outra vez e o tempo correndo. Outros dias a idéia vem fácil e o traço obedece instintivamente e tudo se arruma com naturalidade. Faz 25 anos que Lailson de Holanda faz isso diariamente, repito, d-i-a-r-i-a-m-e-n-t-e, independentemente de dias fáceis ou difíceis. Fora o mês de janeiro, quando tira férias, todos os dias está lá presente no jornal nosso de cada dia. São perto de 9000 charges ao longo desse tempo, um número respeitável. As vezes um tema permanece muito tempo na primeira página e exige que o assunto seja explorado de diversas maneiras.


É fácil deduzir duas coisas a partir daí. A primeira delas é que as 9:30h da noite, quando muita gente está indo para a cama, o cara deve estar fervendo, com a mente em total ebulição e completamente desperto. A segunda coisa é que precisa ser um homem muitíssimo bem informado para enfrentar qualquer assunto que seja o motivo da charge, porque praticamente tudo pode ocupar a primeira página do jornal e não há muito tempo para pesquisa. E o artista participa de outros projetos, como o Pindorama, por exemplo, que reconta a história do Brasil de uma maneira muito peculiar.


"Seria necessário ter um historiador participando do projeto Pindorama mas com Lailson isso foi perfeitamente dispensável." A afirmação é de Beth Araruna, que coordena e alavanca o projeto desde o início. Beth faz projetos culturais de âmbito nacional e considera que Pindorama foi o seu melhor trabalho. Quem quiser saber mais é só visitar o seu site. O endereço vai no final do texto e recomendo pessoalmente.



E Lailson, a sua maneira, é um historiador do Brasil. Segundo ele próprio, "a caricatura é o verdadeiro retrato oficial dos homens públicos." Sendo assim, ele tem sido um retratista do país nos últimos 25 anos e tem contado a história através dos seus desenhos, de forma irreverente muitas fezes, profundamente filosófica outras tantas. As charges de Lailson divertem mas muitas vezes instigam o pensamento, obrigam a reflexão. Nem sempre é bom o humor. Repentinamente percebe-se que o desenho ultrapassa a crítica e penetra no sofrimento, no desânimo e na amargura. Há um toque de tristeza em alguns momentos e uma definição da solidão humana nas coisas do cotidiano.

Pindorama - a outra história do Brasil, - publicado semanalmente em encartes do Diário de Pernambuco, durante 3 meses, aumentou a venda dos jornais em 15% e ficou na memória do povo. Conta a história de Vasco Cuínas Del Mangue que era o lavador de convés na esquadra de Pedro Álvares Cabral. O personagem foi escalado para ajudar na exploração e acabou encontrando Jurupari, que encarna o espírito de Pindorama, como os índios chamavam a região. Jurupari consegue viajar pelo tempo e aí começa a grande aventura. Vale a pena demais, ler tudo do início ao fim.

Como definir Lailson? Um desenhista? Um chargista? Um quadrinista, ou historiador, crítico político, jornalista? Talvez seja tudo isso mas Beth preferiu considera-lo um artista gráfico. Não sei se o artista concorda. Procurado para uma entrevista fomos encontra-lo na Espanha, onde participa do festival internacional de Humor E Quadrinhos da Espanha com 2 exposições -Pindorama-A Outra História Do Brasil e La Risa de Brazil. Na verdade Lailson já apresentou o seu trabalho em muitos países e tem prêmios em diversos continentes. No seu currículo, essas coisas não são novidade. "Para mim, poder apresentar, neste Retrato Oficial, a face do Brasil que vivemos nestes últimos 25 anos através de uma seleção das charges que considero mais representativas desse período, é mais um privilégio e uma responsabilidade, decorrentes da arte e do ofício que escolhi. Espero ter sido um bom fotógrafo - ou pelo menos um bom retratista de instantâneos - e que ao mostrar estes desenhos possa contribuir para que compreendamos melhor a nossa História e possamos cada vez mais olhar com bom humor tanto para o nosso passado quanto para o nosso futuro".


A retrospectiva desses 25 anos está sendo apresentada a partir de 23 de outubro na praça de eventos do Shopping Center Recife. Vai lembrar a nossa história a quem a conhece e ensinar a quem não conhece. Se você quiser saber mais, visite o site de Lailson. O endereço está no fim do texto. É divertido e agradável.




Lailson foi o curador do IV Festival Internacional de Humor e Quadrinhos de Pernambuco e está intimamente ligado a esse evento. Estivemos lá e conversamos com Laerte, Glauco, Adão e Angeli e trazemos boas lembranças. Representa a Associação dos Cartunistas no Nordeste e participa de um grande número de atividades. Alem do mais o cara ainda é músico. Ou seria, se o tempo permitisse e não houvesse optado por dedicar-se a charge. A banda, de Rock & Blues, ganhou o nome de The Lailson Blues Band. Talvez, quando ler esse texto, fique frustrado por dedicarmos tão pequeno espaço a esse lado que ocupa boa parte do seu coração, mas é que CyberArtes é voltado para as artes plásticas. Mesmo quando o músico não é menor do que o artista gráfico.

Barte - Art Gallery
Lailson de Holanda

 
   


Ajude Cyberartes, compartilhe este artigo com seus amigos:

 
 
 

 

 

 

Procenge