Buscar no Site:       Procenge        
Contato Sobre CyberArtes Acervo Encontrei por Aí Dicas & Curiosidades Aprenda Mais Artista da Semana Home

 

[ 151 ]

Arte clássica e arte moderna

Tamanho da Letra: Normal +1 +2 +3 Fundo Branco Fundo Preto


Arte clássica e arte moderna
Freqüentemente temos recebido mensagens vindas de todos os lugares, fazendo perguntas. Uma questão muito repetida é o pedido de esclarecimentos sobre a divisão entre o que é arte moderna e o que é arte clássica. As perguntas são diferentes, mas giram em torno de uma única questão: como definir uma linha divisória entre a pintura considerada clássica e a pintura moderna? Isso pode aparentemente ser uma questão fácil e resolvida, mas de fato, em arte, nada acontece assim. Em um universo complexo, onde o próprio conceito de arte é discutido sem que se chegue a um consenso aceito por todos, classificar e definir transforma-se em um terreno de areia movediça onde a tendência é nos enterrarmos em intermináveis debates.


Anita Malfatti e imagem barroca - diferenças

Em CyberArtes não temos nenhum especialista em arte, nenhuma pessoa com vastos conhecimentos. Nós falamos aqui a nossa opinião, sem a preocupação de análises eruditas e normalmente deixamos de lado essas discussões acadêmicas por não darmos a isso uma importância muito grande e por não nos sentirmos absolutamente preparados para esse tipo de controvérsia. Não se chega comumente a conclusões definitivas e debater por debater, não é bem o nosso estilo. Claro que isso é uma opinião, um posicionamento e não uma verdade absoluta e incontestável. Claro também que temos uma opinião e é isso que colocamos adiante.


Leo Vila - diferentes momentos de um mesmo artista

Durante muito tempo, por quase toda a história da arte, o produto artístico objetivava principalmente retratar a realidade. Buscava-se representar o mais fielmente possível as pessoas e objetos da vida real, mesmo quando se interpretava cenas idealizadas pela mente do artista. É claro que mesmo dentro desse conservadorismo dos valores existentes, muitas revoluções aconteceram, inovando sempre a maneira de fazer arte. O emprego de tinta a óleo, unicamente para citar um exemplo, trouxe uma grande mudança sem que se deixasse de objetivar a retratação da realidade.


Jan Van Eyck inventou a tinta a óleo no século XV, iniciando uma mudança profunda na arte, sem sair do clássico. Ivaylo Kirilov Hadzhinachev defende a pintura clássica na moderna Bulgária - diferentes tempos

Houve grandes inovadores no mundo antigo, quando nem se pensava nisso de arte moderna. Não se pode dizer que a arte de Hieronimus Bosch tenha percorrido os padrões comuns nos idos tempos do século XV, mas não se cogita também de colocá-lo ao lado dos modernistas como Cícero Dias. Talvez seja bom imaginar que o modernismo começou a acontecer quando os artistas passaram a usar uma plasticidade mais simbólica, afastando-se das formas reais. Isso ocorreu em um período em que várias escolas foram, sucessivamente, criando diferentes maneiras de ver o mundo e passaram a colocar na forma de fazer arte, essa nova visão.


Uma clássica pintura de Dom Pedro II e o Abaporu de Tarsila - símbolo do movimento modernista brasileiro

Essa grande e ampla revolução aconteceu principalmente nos séculos XIX e XX, quando surgiram movimentos como o surrealismo, pontilhismo, impressionismo e muitos outros mais. A coleção de "ismos" é enorme. O movimento impressionista tem um nome até esclarecedor sobre o surgimento dessas escolas, quando o artista procurava colocar na tela a sua impressão sobre uma determinada realidade, ao invés da realidade em si. O período coincide com o início de um grande desenvolvimento tecnológico que, obrigatoriamente, mudou a arte. Claro que a ciência abriu novas fronteiras e mudou o homem. Conseqüentemente, mudou também a arte.


Holy Avenger e Peticov - sintomas de uma época

A capacidade de viajar, comunicar-se, registrar acontecimentos, reproduzir objetos, tudo isso trouxe enormes modificações que também revolucionaram o mundo artístico. A fotografia foi uma poderosa arma que chegou e mudou o mundo. Hoje temos o uso de computadores no tratamento de imagens. Isso não vai parar nunca e certamente vivenciaremos outras revoluções eternamente. É impossível imaginar o que será a arte no futuro, o que nos mostrará e quais técnicas usará para isso. Podemos imaginar muitas coisas com base no nosso conhecimento e na especulação científica, mas a realidade será sempre muito mais surpreendente.


As paisagens fantásticas de Marco Ricci e Glenn Brown - óleo sobre tela e trabalho digital

A arte moderna surge, portanto, a partir dos muitos movimentos que romperam com a realidade. O dadaísmo, o cubismo, são apenas novas formas de colocar a realidade diante do observador. No Brasil a arte moderna foi ligada a um movimento propagador das novas tendências e que recebeu o nome de Semana de Arte Moderna. Isso aconteceu em 1922 e procurava criar a alternativa da utilização dessas novas tendências européias em conjunto com características brasileiras da arte. Nomes como Tarsila do Amaral e Anita Malfatti destacaram-se e ficaram permanentemente vinculados ao movimento modernista.


Lúcia Duarte e Cícero Dias - idades semelhantes, mas idéias diferentes

Essa divisão entre retratar a realidade e interpretar a realidade talvez seja a linha mais fácil de ser traçada para a divisão entre o clássico e o moderno. Claro que pode ser contestada, mas consideramos que essa é uma forma pragmática de encarar a questão. É assim como nós vemos...

 



Por Ronaldo Carneiro Leão - atendendo solicitações
e Rê Rodrigues - esperando contestações



Ajude Cyberartes, compartilhe este artigo com seus amigos:

 
 
 

 

 

 

Procenge